Liderar e aprender

De uns tempos pra cá tenho pensado bastante no papel de um líder. O que é realmente liderar uma equipe, o que é lidar com as alegrias e dificuldades de pessoas tão distintas dentro de um ambiente de trabalho.  Se alguém oferecesse um cargo de liderança pra você hoje: você aceitaria?

Se alguns anos atrás alguém me fizesse essa pergunta, muito provavelmente eu diria não, mas com um passo de cada vez (como tudo deve ser) fui entrando nessa estrada e confesso que hoje é uma das partes mais interessantes e intrigantes de um ambiente de trabalho na minha opinião.

O que vou contar aqui é fruto do que aprendi até o dia de hoje (01/08 às 22h) e possivelmente ano que vem eu refaça esse texto totalmente. Pode ser que mude tudo até semana que vem, mas como diria uma grande amiga minha: vamos por partes.

Nós sempre vemos por aí em sites e em redes sociais aquela comparação entre chefe e líder. É legal? Claro que é, mas acho que liderança vai um pouco além do que “dizer vamos”, “assumir responsabilidades” ou “orientar”. Isso, na minha opinião, é um pouco do básico. É como pedir inglês na maioria das entrevistas.

Contudo, entenda que não estou dizendo que você não deva fazer isso caso esteja numa posição parecida. Continua sendo seu papel e sempre vai ser.

Liderar tem um pouco mais a ver também com se permitir mudar um pouquinho todos os dias. Parece estranho, afinal, liderança ainda tem um pouco esse status de que você não precisa mais mudar. Já chegou no topo, certo?

E se ao invés de dizer “vamos”, você se permitir ouvir o “vamos” de alguém?

Pode parecer simples, mas isso faz uma enorme diferença. Ao fazer isso, você está dando voz para alguém, mesmo que seja por apenas um dia ou alguns minutos. Isso permite que ela veja que as habilidades e experiências que ela têm, também contribuem para o processo de alguma forma.

E fazer isso não te faz “menos líder”, mas te faz um pouco mais aprendiz.

Numa analogia muito simples é como um casal que tem contas separadas no banco. Cada um continua com seu jeito administrar o dinheiro e os dois jeitos estão corretos (nenhum dos dois fica com dívidas no fim do mês), mas nada impede que os dois façam planos juntos, sem que cada um tenha que abrir mão da sua maneira de administrar a conta. Simples assim.

Dessa forma, imagine a quantidade de experiências, habilidades, medos, ansiedades e pontos de vista com quais você vai se deparar todos os dias. O resultado desse contato é que você vai aprendendo, crescendo e mudando um pouquinho todos os dias e vice-versa. Você cresce com a equipe e sua equipe cresce com você.

Em outro texto por aqui comentei que acredito que sucesso na carreira é uma jornada contínua. A liderança comprova ainda mais como isso é verdadeiro. Ser líder é uma bela de uma oportunidade pra você liberar aquela vontade de aprender e de crescer que você achava que não ia precisar mais usar.

Photo via Visual Hunt

 

 

 

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. Chell disse:

    Tenho um medo enorme de receber o rótulo de “líder”, mas é isso que sou na minha própria empresa. =D
    Assustador, mas necessário rsss

    1. singulano disse:

      Exatamente Chell! Eu também compartilho desse medo, mas é necessário. Não tem jeito! hahah

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s