Cultura 24/7

O post de hoje é praticamente um desabafo, minha esperança é que quem sabe você se identifique (ou identifique colegas nessa mesma situação) com o que eu vou falar aqui.

Não é uma especificidade do mercado de comunicação, acredito que é algo que está afetando praticamente todas as esferas profissionais pelo Brasil e mundo a fora. Pelo título você provavelmente já sacou que é a famosa cultura do 24/7.

“Ah, não saquei…”

A cultura do 24/7 é algo que afeta boa parte dos profissionais dentro da minha geração (entre 30 e 40 anos mais ou menos), onde nós simplesmente não desligamos do trabalho. Jornadas de trabalho de 8 horas, viraram 10, 12 ou em casos extremos 14 horas. Aquela boa (ok, não tão boa assim) e velha mania de levar trabalho pra casa depois do expediente ou mesmo ao final de semana.

Um dos grandes contribuintes para isso é a evolução de canais de comunicação como os aplicativos de mensagens instantâneas (sim, você sabe qual estou falando!) que ganharam um caráter mais corporativo com o uso dos famosos grupos para troca de mensagens entre média e altas lideranças dentro de empresas e escritórios.

“Ah Singulano, peraí! Isso agiliza muito a tomada de decisão e comunicação dentro da empresa em crises e até mesmo questões mais cotidianas!”

Opa, claro que sim! Eu concordo totalmente com você. O que eu quero tratar aqui nesse post (como a maioria dos posts que escrevo aqui no blog) é que pra tudo podemos encontrar um equilíbrio.

Já reparou, agora falando do mercado de comunicação (que tenho um pouco mais de segurança pra falar, já que estou incluso nele), como o número de profissionais com problemas como ansiedade e stress aumentou nos últimos anos? É cada vez maior o número de colegas próximos ou conhecidos do ramo que escuto as seguintes frases:

“Estou fazendo terapia”
“Estou pensando em mudar de área”
“Cansei”

Parte disso, é culpa da cultura 24/7.

Aquela apresentação que você deixou pra finalizar em casa no sábado. A hora extra que você fez e teve que cancelar a cerveja com os amigos. Coisas assim, que a princípio nós repetimos “ah, é só dessa vez mesmo” são cada vez mais recorrentes e por isso estamos adoecendo cada vez mais.

Tanto é que a França instituiu o direito do trabalhador se desconectar do trabalho, sem que haja consequências, devido ao número crescente de pessoas com problemas como o esgotamento no trabalho (também conhecido como síndrome de burnout).

Há quem diga que quem fica sempre depois do horário no trabalho está vestindo a camisa da empresa. Outros defendem que se você fica depois do horário, é porque você não foi competente o suficiente para resolver suas obrigações dentro do horário do expediente.

Sinceramente, não acho que seja uma coisa nem outra. Acredito que imprevistos realmente acontecem, por isso de vez em quando é necessário estender um pouco o expediente para resolver uma urgência ou algo que ficou pra trás. Sim, infelizmente problemas acontecem mesmo (e não importa onde você trabalhe. Eles estarão lá esperando por você. E isso não é ser pessimista, é só uma maneira um pouco menos dolorosa de encarar o dia a dia cada vez mais sobrecarregado.

Agora, precisamos lutar cada vez mais, para que isso não vire uma rotina (quando digo isso é o cuidado para que isso não se torne algo aceitável). Um imprevisto aqui e outro ali para resolver num espaço de 15 ou 20 dias é aceitável ao contrário de 5 imprevistos na mesma semana (não é uma fórmula, apenas um exemplo para efeito de comparação).

O que deve virar rotina é refletirmos sobre essa cultura. Até onde vale a pena sacrificar a minha saúde e momentos com a família para que os outros me vejam como produtivo? Será que não é melhor equilibrarmos um pouco as coisas e cuidar um pouco mais de nós mesmos (e uns dos outros!) para que assim todos consigam ser mais criativos, assertivos e acima de tudo, felizes?

Até a próxima! 😀

 


 

Texto inspirado no livro maravilhoso chamado Rotinas Criativas – Um Antimanual de Gestão do Tempo para a geração Pós-Workaholic do Alexandre Teixeira, que estou lendo atualmente! Recomendo!

 

 

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s